fevereiro 11, 2010

Ó!



foto de Catarina

Há dias em que me sinto leve só
enrolada em mim, em voltas e revoltas
num ritmo enlevado em dó
sem dilemas, apenas
pés subjugam o pó
das cinzas
das sombras
dos morfemas que agarro em nó.
Ó! ...
Há dias em que me sinto leve só.

Vera Carvalho

8 comentários:

Miguel Pires Cabral disse...

Oh! Muito obrigado pela tua visita. Como gosto de te ler, parece que embalamos numa espécie de melodia construída numa pauta em que jorram as palavras.

Beijo grande amiga (madrinha).

:)

São Rosas disse...

Parabéns, Vera.
Vim aqui visitar-te "via Charlie" porque se ele gosta é garantia que é bom... e é mesmo.
Não sei se conheces o blog «a funda São». Estarias interessada em publicar lá também a tua poesia erótica? Diz-me algo para funda@afundasao.com ;O)

Gregorio Omar Vainberg disse...

Teu poema flutua , ou tu flutúas o poema,

Um abraço.

continuarei lendo.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Leveza vera... nas palavras e no literalmente... mas a solidão bem poucas vezes é leve - antes é trabalhosa... conviver consigo mesmo é labor [lida] difícil... SÓ-lidão, enfim... o peso da companhia [tão desejada e querida] que afugenta [de vez] a solidão é que - de fato - nos faz levitar... ;)

Belo espaço, belíssimos textos... seguindo cá... ;)

A Magia da Noite disse...

a leveza é um estado de alma que encontramos quando estamos bem em nós.

Nydia Bonetti disse...

Vera

Vim agradecer a visita e gostei muito da tua poesia. Estarei por aqui. :)

E por falar em leveza:

brisa
que sopre leve

sobre

insuportável
peso

mormaço
antes das chuvas

silêncio escuro
antes

do primeiro sol

Abraço!

Nilson Barcelli disse...

Há dias em que a tua poesia se enrola em mim, sem dilemas... mas isso só acontece nos dias em que cá venho ler-te...
Excelente, querida amiga. Gostei imenso.
Um beijo.

Edgar disse...

Com o passar do tempo vou amadurecendo e entendendo... Mas gosto de pensar no que escreves.