fevereiro 28, 2008

Eternidade


foto de autor desconhecido
Ah, se eu pudesse
Espraiar as minhas memórias com a leveza da brisa
E render-me ao sorriso que elas me trazem
Resumia os dias àquilo que te caracteriza.

Entregava-me ao sol e ao mar
Baloiçada pelos segredos que as ondas guardam
E o rubor que emergia das minhas faces
Denunciavam-te à linha que os olhos talham.

Ah, se eu pudesse
Navegar junto a ti numa canoa
Flutuar desprendida dos pés que me agarram à vida
Morrer seria até, coisa boa.

Despia-me da fisionomia
Enredada aos trapos da saudade
E aconchegava-me ao vermelho da carne
Até à eternidade.


Vera Carvalho

fevereiro 12, 2008

Insânia


foto de Keitology

Talvez eu não possa amar-te

talvez a insanidade dos meus sentidos revogue
a serenidade de um poema ladeado de lírios e organzas
e me acerba esta vontade de te rasgar a pele
e colar-me a ti

talvez a sede de mulher sugue
as palavras doces da tua boca
e me atice esta vontade de te trincar os lábios
e beber-te o sangue

talvez o despropósito do meu ser arranque
as raízes dos teus braços
e me enlouqueça esta vontade de te roubar ao mundo
e fundir-te em mim

talvez eu não possa amar-te
com a lógica da razão

amarra-me então o corpo
mas liberta-me deste coração

para que eu não possa
amar-te

Vera Carvalho