outubro 22, 2007

"meme" - Como eu escrevo...


Quando o dia se mostra cansado e o manto de luz que une os círculos polares aconchega a minha alma, dispo-me do ser que me escuda.
Caminho descalça sobre a vestimenta que larguei, sinto-lhe a textura e inspiro-lhe as fragrâncias.
São os sentidos que me movem, são os olhares que perdi de vista e aqueles que vivamente sigo, são os sabores amargos ou doces dos lábios que provei, são os toques suaves, intensos, fugidios, constantes…são os ruídos que me seguem e os que procuro.
Tanta vida que quero e não quero que me verte da pele e escorre até à ponta dos dedos ávidos do prazer da alma.
É assim que eu escrevo,
escrava à minha satisfação interior, roubo a vida lá de fora.


Em continuidade ao "meme" oferecido pelas mãos de Rita Costa - Natureza Poética. Um abraço para a mulher que tem alma poética:).

Vera Carvalho

outubro 09, 2007

As lágrimas que me secam


foto de Jana Vieras

Correm lágrimas desalinhadas
em meu rosto
quando, à minha direita,
vejo o vazio rebatido de tenras ervas.
Eu continuo lá
absorvida pelo rio
mas largada na margem
_[amiserada pela tua ausência].

Intimida-se o vento
que ao passar por mim se esconde
no mesófilo da folha.
Murmuram os estomas
prantos que choram em uníssono
e cada gota
pesa sobre o sol .

Apaga-se o fervor
dos beijos em meus lábios,
descora-se a alma,
tranca-se a vida.

Escorre a saudade em lama
neste rio,
manchando de negro as bordas do corpo
que racham
em estilhaços
ao passar do tempo.

Sangram memórias
no reflexo da imagem
que escondes do céu
e entorno-as novamente sobre ti
_[na esperança que algo de mim sobreviva].

-----V.C.-----